Turismo

Sectores Económicos
Primário 15 %
Secundário 70 %
Terciário 15 %

A população de Cedrim dedica-se predominantemente à agricultura, mas também à criação de aves e à exploração de bovinos. Por outro lado, as oficinas de carpintaria e estofagem também têm um papel importante na vida económica da Freguesia.

É de referir a existência da Zona Industrial de Cedrim, cujas infra-estruturas foram inauguradas no dia 26 de Julho de 2003. Actualmente, é composta por cerca de trinta empresas que empregam cerca de 500 trabalhadores.

Em Cedrim, ainda há lagares reconhecidos, como é o caso do existente em Paçô, explorado por Vera Borges Santos.

Desporto, Cultura e Lazer
Preocupada com o desenvolvimento integral do local, esta Freguesia está dotada de alguns meios, como uma sala de convívio onde eram projectados filmes, o Parque do Monte do Castêlo e locais de diversão nocturna, como o Bar/Discoteca Niagara Parque e a Discoteca Bota Sheik.

Ao longo dos tempos, as populações foram-se organizando em associações ou colectividades, perseguindo finalidades e objectivos bastante diversificados, sempre visando elevar a sua cultura e o seu bem-estar social. São disso exemplo:

  • Jovouga — Associação Cultural, Desportiva e Recreativa de Cedrim dedica-se ao futebol, atletismo e actividades recreativas e culturais, como convívios, jogos tradicionais, semanas culturais, entre outros eventos. Esta Associação foi fundada a 22 de Janeiro de 1989.
  • Associação Desportiva “Águias de Carrazedo”
  • Grupo Musical “Us’Enigma” - Foi fundado em Cedrim, em 1990.
  • Filarmónica de Cedrim — Em 1909, o professor Artur Nunes Vidal fundou uma Tuna, juntamente com Alexandrino de Bastos, Alexandre Soares Leal, César Fernandes Gomes, Henrique Rodrigues Ribeiro, Manuel Marques Ferreira, Fernando Afonso Soares Gomes, José Tavares Arede, Eduardo Tavares da Silva, Custódio Morais Ferreira, Manuel Martins da Costa, Joaquim Rodrigues Júnior e Ernesto Fernandes Gomes. A sua primeira actuação teve lugar em Cedrim, ainda em 1909, numa missa celebrada pelo padre Joaquim Tavares Dias. O desempenho da Tuna agradou de tal forma que, no ano seguinte, foi transformada em Filarmónica, tendo sido a sua estreia oficial a 12 de Junho, na festa de Santo António. Foram seus regentes o referido professor Nunes Vidal e o padre Joaquim Tavares Dias. Conheceu o seu fim em 1919, mas Cedrim não a esquece.

Acção Social
Não descurando esta importante área de acção, esta Freguesia tem ao dispor dos seus habitantes um O.T.L., proporcionado pela Junta e pelas colectividades locais, o qual de destina aos jovens, durante o Verão.

Ensino
No âmbito da Educação, esta Freguesia está munida de algumas infra-estruturas, como quatro estabelecimentos de ensino Jardim-de-Infância de Cedrim, Escola do 1.º Ciclo de Cedrim, Escola do 1.º Ciclo de Paçô e Escola do 1.º Ciclo de Carrazedo.

Guia Turístico
Para satisfazer a sede de cultura dos seus visitantes, esta Freguesia tem para oferecer um património que é, essencialmente, uma herança cultural. Pode ostentar séculos ou milénios, mas deve ser sempre entendido como um conjunto de manifestações que emana dos mais diversos graus do conhecimento humano, gerado por múltiplas gerações que, à sua maneira, compreenderam a necessidade de transmitirem algo aos vindouros.

  • Igreja Matriz - Foi construída segundo o estilo de então o joanino tardio e rural. O portal, bem trabalhado, é rematado por um frontão sinuoso, centrado, à maneira de pedra de armas, por uma cartela emoldurada por palmetas e folhagens com a seguinte inscrição “S. João 1786”. Em plano superior, assenta um nicho com a imagem do patrono, ladeado por duas janelas encimadas por frontão curvo. A Igreja foi, por duas vezes, objecto de obras de restauro e ampliação de vulto, tendo sido as primeiras no início do século XX, promovidas pelo Pe. Joaquim Tavares Dias, e as segundas, em 1970, por iniciativa do Pe. Arménio Pires Dias, das quais resultaram o aspecto moderno que hoje ostenta.
  • Capela de Nossa Senhora dos Milagres - Ostenta a data de 1692. No retábulo com breves talhas antigas, existem três esculturas de calcário, obras comuns do século XVII Virgem com o Menino, Trindade e um Santo. As obras de restauro, realizadas há alguns anos, acrescentaram-lhe uma pequena torre ao lado.
  • Capela de Santo Amaro - Construção que remonta ao século XVII. Apesar de modesta, a fachada principal conserva a porta em arco inteiro, empenas inclinadas, de granito, onde assenta a sineira. No interior, na parede do altar, sem retábulo, a imagem de Nossa Senhora de Fátima, ao centro, ladeada pelas de Santo Amaro e São Francisco.
  • Capela de Nossa Senhora dos Remédios - em Santo Adrião
  • Capela Ecuménica da Redouça - de invocação a Nossa Senhora da Guadalupe.
  • Cruzeiro fontanário - Em granito da região, situa-se no Largo do Chafariz.
  • Anta de Corredor - em Santo Adrião
  • Arte Rupestre do Monte do Castêlo - Situa-se perto de um pequeno povoado de Cedrim (Santo Adrião), no Vale do Vouga, na encosta da Serra do Ladário. São inúmeros os cabeços existentes no Monte do Castêlo, cada qual com o seu nome, desconhecendo-se já a origem de alguns. Os principais são Cabeço Pequeno da Lomba, Cabeço dos Assobios, Lameirinho Verde, Encosta, Cabeço do Sol, Cabeço do Sino e Cabeço das Mouras. O Monte do Castêlo, situando-se a cerca de 500 metros de altitude, é o ponto mais alto da Freguesia e está assinalado com uma cruz de ferro, aí colocada a 10 de Junho de 1973. No cimo deste altaneiro morro, existe um marco geodésico que divide duas freguesias (Cedrim e Ribeiradio), dois concelhos (Sever do Vouga e Oliveira de Frades), dois distritos (Aveiro e Viseu) e duas províncias (Beira Litoral e Beira Alta). A avaliar pelos vestígios aí encontrados, nomeadamente inscrições em algumas pedras, pode deduzir-se que os restos da edificação que se encontram no topo do Cabeço remontam a época muito anterior ao domínio romano, talvez 500, 1000 ou até 2000 a.C..
  • Complexo Turístico de Fontelas
  • Moinho Geraldo - Trata-se de um pequeno moinho, na ribeira de cima, em Santo Adrião, devendo ser um dos moinhos mais antigos desta área, dado que se calcula que terá cerca de 700 anos. Deduz-se que foi feito no tempo dos Mouros, ou depois, visto que lhe foi dado o nome de “Moinho Geraldo”, nome de São Geraldo Sem Pavor, que foi quem derrotou e expulsou os Mouros.

Como principais acessibilidades, a freguesia de Cedrim dispõe da A25 e da EN 328.

Serviços

rand,3,0

Solicitamos a todas as pessoas que tenham recibos de água por liquidar que o façam o mais breve quanto possível.